terça-feira, 1 de abril de 2008

A chuva me ensinou a chorar.

Pintura - René Magritte.

Em dias de chuva a vida ganha nuances diferentes. Tudo fica mais poético e acolhedor, as paredes e as árvores vestem-se com matizes outras. Os livros ganham mais sabor, por causa do tempero do clima. Em dias de chuva minhas palavras mostram-se nuas e felizes, tristes e despudoradas, minhas palavras tornam-se ainda mais paradoxais, mais minhas. Torno-me mais íntimo de mim, converso com meus medos, ponho pra dormir as ausências, passo café a dois. Em dias de chuva sou mais companhia, me dou as mãos e saio num passeio íntimo. Em dias de chuva minha solidão sai para fluir, gosta de ser acarinhada pelas mãos do vento, de sentir as pálpebras da brisa. Delírio.
Passei a chorar em público em um dia de chuva, ou melhor, em uma noite de chuva. Por acreditar que ninguém me perceberia chorar. Passei a chorar em público quando a noite também chovia, quando a noite escorria por sobre minha face e olhos, umedecendo meu olhar translúcido. Meu olhar nunca anoiteceu tanto. A chuva é uma tristeza chorando. A chuva me ensinou a chorar.
Em dias de chuva serenam meus olhos sobre a nudez do tempo. Em dias de chuva meu olhar também chove, meu olhar me chove.
Chove minha alma comovida.

5 comentários:

Silvestre Gavinha disse...

Meu, que lindo!
Amo o sol de paixão, mas adoro a chuva. Agora ainda mais, depois que você choveu tão belamente teu texto.
Tudo perfeito. Cada imagem. Cada frase. Chego quase a lamentar o sol desse momento.
Até o Magrite ficou mais suave.
Brigadinha pela linda imagem para começar meu dia de trabalho. Com o coração e a alma em chuva lavados, vou melhor e mais feliz.
Beijão
Marie

Felipe disse...

"Lipirius": Também queria estar sentindo chuvas noturnas Afogadenses.

Não só as paredes e as árvores, mas toda a cidade se veste nova.

Me mexe muito o clima soturno e úmido deste querido lugar.

Perfeito para um bom cigarro, combinado com um bom livro.

nicole vinks disse...

como fazemospara trazer você a Londrina, aqui também chove bonito, comoventemente. E uma ofícina literária tua passando por aqui faria chover ternura,poética, beleza.
Alessandro, esse teu texto umedeceu o meu dia que se encontrava tão triste e seco. Umedeceu meus olhos e gostei de tê-los banhados por palavras tão doces e acolhedoras.

maira corossate disse...

Nada delicado você. (risos) Lindo texto, me ensina a escrever assim, maravilhoso poeta. beijos.

Cassandra Brunetto disse...

Querido!!!!

Mais um belo texto!!!! Eu, particularmente, não gosto muito dos dias de chuva... Por aqui normalmente chove qdo preciso acordar cedo e ir trabalhar... Como meu trajeto é longo, torna-se desagradável se feito dessa forma, hehehe...

Mas a chuva tb tem seu lado bom... Seu lado poético, que renova, conforta, acalma, acaricia e toca a alma... Como este belo texto que vc escreveu!

Simplesmente lindo! Parabéns!

Bjoks