sábado, 29 de março de 2008

Da série: pequenos orgasmos

Pintura - Henri Matisse

*Mesmo erótico o poema, o poeta se repleta de Deus para criar.

*Cortejada minha alma, meus olhos, meu mendigar, meu riso pálido, à celebração de nenhum haver.

*Haver um eles, é uma coisa singular.

* Habitar uma palavra triste é coisa que faço com alegria.
O paradoxal me psicologia.

* São as palavras que silenciam o mundo.

2 comentários:

Silvestre Gavinha disse...

NOSSA!!!! O poema é lindo.As três últimas frases são maravilhosas. Neste momento, calaram fundo em mim.
Um abraço
Marie

Cassandra Brunetto disse...

Liiiindoooooo!!!!

Deu até vontade de colocar este poema no meu Orkut, com os devidos créditos, é claro!!! Posso???

Muito bom mesmo, meus parabéns!

Saudade de vc!

Aparece no msn qdo puder pra conversarmos!

Bjoks