terça-feira, 13 de maio de 2008

Escritas Estações

Foto by Nardell


Quando escreveu a primavera Deus pensava em perfumar a sua solidão. Torná-la mais poética, povoada de aromas, inundada de sutilezas. A mais repleta das estações nasceu do ventre da solidão de Deus, as suas tintas ornam o poético que reside nas fragrâncias. As flores não possuem aromas, as flores vestem os aromas. Imaginem elegantemente vagando por ai, em noite ensolarada, um aroma vestido de orquídea. Delírio. Sou um colecionador de delírios.
Quando escreveu o inverno Deus pensava em se pensar melhor, e chorou. Encharcou o mundo, orvalhou a vida e fez nela brotar a poesia.
Quando escreveu o verão Deus quis dá um tom pomposo para o crepúsculo, hipnotizar olhos contemplativos, quis que olhos apaixonados tivessem a possibilidade de entardecer o amor desejado. Quis que poetas pudessem escrever frases como: Seus olhos de entardecer crepúscularam a minha noite. Meu amor cheirava a um lindo verão. Deus poemou tal estação e deu-lhe o calor do Seu acolher.
Quando escreveu o outono Deus quis que a poesia sempre renascesse, maravilhosa, quis o lirismo da delicadeza, o lirismo de árvore chorando. Quis fazer-Se poeta e Se fez.

11 comentários:

Silvestre Gavinha disse...

Poeta. Bem tornado. Obrigada pela visita, que me trouxe de volta às tuas linhas, como sempre belas.
Grande saudade de beber nessa fonte sempre lírica e suave.
Que posso dizer então do teu poema.
Lindo como flanar nas estações.
Deus te abençoa pelo que dizes.
Amem.
Beijão
Marie

maira corossate disse...

Poeta saudades enormes de tuas palavras, assustadoramente ternas.

ATIRANDO PRATOS PELA JANELA disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
ATIRANDO PRATOS PELA JANELA disse...

Parei aqui por acaso e adorei.

Escreves muito bem.


Abraço,
Aline

Cassandra Brunetto disse...

Lindo, lindo, lindo! Tudo o que tu escreves é lindo! Tava (e ainda estou) com uma saudade imensa do teu blog, de ti, de tudo que tem por aqui! Ameiiiiii o que li! Bjoks

GABRIELA disse...

Bellísimo, Alessandro.
Romántico incurable...
Te dejo besitos...

Juliana Vermelho Martins disse...

Você foi modesto! Colocou nas intenções de Deus tanta poesia, quando na verdade essa poesia saiu de você!
Abraços

Felinea disse...

absurdamente lindo!

tua poesia tem aroma de jasmim e baunilha! :))

abraços carinhosos do sul.

Libânia disse...

Também já fui uma estação.

Ana Clara disse...

Olá.
Pena que encontrei seu blog tardiamente (percebo que não atualiza mais), mas farei questão de dar uma olhada nas postagens antigas. Esse seu post posso dizer que foi, no mínimo, dotado de encanto.

Jorge Ramiro disse...

São muito boas fotos, eu me lembro de minha terra natal, Itaim Bibi. Lembro-me de minha infância com alegria.